Menu

The Blogging of Rankin 993

zonecan25's blog

blog post


Sem sombra de dúvida. Iniciadas há mais de 30 anos, as pesquisas com dispositivos de leitura da mente estão avançando rapi-damente. Em 2002, o canadense Jens Naumann, que ficou cego aos vinte anos, começou a ver graças ao implante cerebral fabricado por William Dobelle, um cientista de Nova York especializado em criar órgãos artificiais. 2 anos depois, em 2004, o americano Matthew Nagle, que ficou paralítico em razão de uma luta com facas, recebeu um implante de 100 menores eletrodos pela fração do córtex cerebral que controla os movimentos corporais. No futuro, a relação entre cérebro e máquinas tende a aperfeiçoar. Sem recorrer a implantes, contudo interpretando os detalhes do cérebro, novos objetos asseguram aumentar nossa capacidade de cognição.


A Microsoft está desenvolvendo o software Busy Body, que organiza melhor o serviço - tendo como exemplo, não avisando da chegada de e-mails irrelevantes que possam pegar tua atenção. Na área de implantes cerebrais, ainda não foi criado um jeito de estudar caratê via computador, como acontece no filme Matrix. Tabagismo E Diabetes Podem Aumentar Risco De Alzheimer de imediato é possível imaginar que implantes robóticos sejam incorporados como porção do nosso respectivo corpo humano. De seu laboratório pela Instituição Duke, nos EUA, o neurobiólogo brasileiro Miguel Nicolelis demonstrou que o cérebro de um macaco é qualificado de aprender um braço robótico como se fosse teu. Que tal implantar um terceiro braço?


Neenan, M., & Dryden, W. (2002). Life Coaching: A cognitive-behavioural approach. New York: Taylor & Francis. Orenstein, R. (2000). Executive coaching: An integrative model. Tese de Doutorado não-publicada, Faculty of The Graduate School of Applied Professional Psychology of Rutgers The State University of New Jersey, New Jersey. Orenstein, R. (2002). Executive coaching: It’s not just about the executive. Parker, P., Hall, D. T., & Kram, K. E. (2008). Peer coaching: A relational process for accelerating career learning. Peltier, B. (2001). The psychology of executive coaching: Theory and application.


Ann Arbor, MI: Sheridan Books. Mensagem Do Dia , J. (2002). Processes and stages of change: Counseling with the transtheoretical model of change. Prochaska, J., & Diclemente, C. (1983). Stages and processes of self-change of smoking: Toward an integrative model of change. Prochaska, J., & Prochaska, J. M. (1999). Why don’t continents move? Why don’t people change? Prochaska, J., Prochaska, J., & Levesque, D. (2001). A transtheoretical approach to changing organizations. Prochaska, J., Norcross, J., & DiClemente, C. (1994). Changing for good: A revolutionary six-stage program for overcoming bad habits and moving your life positively forward.


Prochaska, J., Velicer, W., Guadagnoli, E., Rossi, J., & DiClemente, C. (1991). Patterns of change: dynamic typology applied to smoking cessation. Prochaska, J., Velicer, W., Rossi, J., Goldstein, M. G., Marcus, B., Rakowski, W., Fiore, C., Harlow, L., Redding, C., Rosenbloom, D., & Rossi, S. R. (1994). Stages of change and decisional balance for doze problem behaviors.


Reis, G. (2003). Avaliação 360 graus: Um aparelho de desenvolvimento gerencial. Reis, G. (2007). Da experiência ao aprendizado: A prática reflexiva como processo no processo de coaching de executivos. Schön, D. (1983). The reflecting practitioner. Sherman, S., & Freas, A. (2004). The Wild West of executive coaching. Skiffington, S., & Zeus, P. (2003). Behavioral coaching.



  • Bloqueie Seu Computador

  • 6 - Risoto e macarrão podes

  • Ter relações sexuais e desfrutar do melhor sexo

  • Álbum Materno (1)



  • Stober, D., Wildflower, L., & Drake, D. (2006). Evidence-based practice: a potential approach for effective coaching. Thach, L., & Heinselman, T. (1999). Executive coaching defined. Tyler, C., & Tyler, M. (2006). Applying the transtheoretical model of change to the sequencing of ethics instruction in business education. Velicer, W., Diclemente, C., Prochaska, J., & Brandenberg, N. (1985). A decisional balance measure for assessing and predicting smoking status. Vicere, A., & Fulmer, R. (1998). Leadership by design.


    Boston, MA: Harvard Business School Press. Waldroop, J., & Butler, T. (1996). The executive as coach. Weiss, D., & Molinaro, V. (2006). Integrated leadership development. Whitmore, J. (1996). Coaching for Desenvolvimento Pessoal No Trabalho . Yoshida, E. (2002). Escala de estágios de modificação: Exercício clínico e em busca. Yu, L. (2007). The benefits of a coaching culture. Um Endereço para correspondência: Rodovia Toneleiros 199/221, Cond. Um Sistema é Composto Por Partes / Sousas, 13104-182, Campinas-SP, Brasil. Dois Agradecimento à Capes pelo apoio institucional. Lina Nakata é professora da Escola Superior de Administração e Gestão (ESAGS). É graduada, mestre e doutoranda em administração de corporações na Universidade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).


    Impossibilite também que esses problemas afetem tua produtividade. Se obrigatório, responda apenas com teu gestor sobre isto um problema mais crítico, contudo procure não discorrer muito sobre isso com os colegas menos próximos. Mesmo que a corporação em que você trabalhe possua um local comunicativo, de modo alguma crie apelidos ou piadas sobre o assunto seus colegas.


    Nem todos sentem-se confortáveis com essa ocorrência, e alguns conseguem não desejar e não dizem nada a respeito. Deste jeito, impossibilite ser a pessoa que cria ocorrências inconvenientes no serviço ou no happy hour. Isto manchará sua imagem e dificultará um bom relacionamento com os colegas. Um excelente relacionamento no trabalho depende essencialmente de suas atitudes e de teu excelente senso, como você pôde perceber. Ser educado, saber ouvir e ser prestativo são atitudes mínimas que podem auxiliá-lo neste caminho de aperfeiçoar seus relacionamentos e consequentemente fazer com que as pessoas gostem de estar perto de você.



Go Back

Comment

Blog Search

Comments

There are currently no blog comments.